Índia – Nova Déli #3

E ai minha gente, maravilha?

Chegando nos últimos detalhes e histórias por Nova Déli, fui parar no meu último ponto “turístico”… Qutab Minar.

QUTAB MINAR

Qutab Minar
Qutab Minar

Obtive muitas informações sobre ele neste post: LINK!

Patrimônio Cultural da UNESCO, o Qutab Minar é o mais alto monumento de tijolo do mundo, com 73 metros de altura. Ele foi idealizado pelo primeiro governador muçulmano de Delhi, Qutb-ud-din Aibak,  que começou a construção dessa torre, após vencer o rei hindu em 1193. A história da construção do Qutub Minar tem muitas especulações, pode ter sido construído como apenas um simples minarete, tendo como propósito chamar os fieis para as preces na Mesquita  de Quwwat-ul-Islam que faz parte  do complexo ou que foi construída como  a Torre da Vitória, monumento significando a gloria do Islã; ou ainda como uma torre de observação para defesa da cidade.

Base do monumento e seus detalhes
Base do monumento e seus detalhes

O diâmetro da base da torre é de 15 metros e tem  379 degraus, até o topo. Na parte mais alta, no entanto, é de apenas 2,5 metros. Os três primeiros andares foram construídos com arenito vermelho e os dois restantes com uma combinação de mármore e arenito.

O local na verdade é um complexo, com vários monumentos conjuntos. Entre eles o Quwwat ul-Islam a primeira mesquita construída na Índia,  o Alai Gate, o Alai Minar, o Pilar de Ferro; a Tumba de Iltutmish, erguida pelo segundo sultão  de Delhi. Também, a tumba de Alauddin Khilji sultão de Delhi que reinou de 1296 to 1316 AD e a de Imam Zamin um santo vindo do Turquestão e que se estabeleceu na Índia  por volta de 1500.

Complexo Qutab Minar
Complexo Qutab Minar
Complexo
Complexo

A realidade é que hoje pouco resta das outras estruturas do complexo de Qutab Minar, mantendo-se inteiro apenas o Qutab Minar propriamente dito. Porém, é uma viagem interessante por uma arquitetura típica da região e até para analisar a parte de “engenharia” das construções, já que hoje pode-se ver como tudo era construído. As vezes é de ficar pensando em como conseguiam erguer monumentos tão lindos, grandioso e resistentes com o que se tinha na época.

Uma história interessante sobre este lugar é a história da mesquita que foi construída dentro deste complexo e que foi construída com pilares de 27 templos Hindus e Jain da Índia, ou seja, esmagação religiosa total. Outra história interessante é de um monumento incompleto que está lá ainda, intacto, que tinha o objetivo de ser um Qutab Minar com o dobro do tamanho porém não foi concretizado, sobrando apenas uma base grande, e inicialmente, confusa aos olhos.

O complexo é bem interessante, superou minhas expectativas na verdade, porém, acabei fazendo todo ele com um pouco de pressa, pois como sempre, haviam outras coisas a fazer… :/ Na verdade, aqui entra um ponto interessante da viagem e que neste local teve seu ápice.

Lembrando quando eu contei que na China as pessoas pediam para tirar fotos comigo e outros gringos? Pois é, na Índia foi a mesma coisa… Mas dessa vez principalmente com a Lissa. Uma loira bem branquinha no meio de toda a galera? Em todos os lugares que íamos, especialmente em Delhi, sempre fomos parados pedindo para tirar fotografias conosco. Sempre fomos muito simpáticos e tiramos, sem pensa muito nas possíveis consequências  do possível ato.

Ponto turístico (nós)
Ponto turístico (nós)
Lissa e seus amiguinhos
Lissa e seus amiguinhos

Uma coisa interessante entender sobre isso é que, na Índia, valoriza-se muito a cor de pele mais clara. É cultural… Das mais diversas etnias e cores que compõe o povo indiano, os mais claros geralmente são os mais bem vistos. Isso reflete muito na medicina, onde o país tem uma grande incidência de pessoas interessadas em clareamento de pele. Inclusive, conheci um amigo de um amigo brasileiro lá, que trabalhava exatamente nesse ramo. Interessante, né? Uma coisa muito legal é que as mulheres que estavam com filho de colo, sempre davam a criança pra Lissa segurar, isso foi legal demais.

Ok, tudo entendido em relação a isso, mas eu não consigo absorver muito a informação do pra que eles vão utilizar aquela foto? Será que é tão interessante tirar uma foto com um gringo? Bom, quem sabe, pra quem não viaja seja uma novidade. Realidades diferentes, mundos diferentes, interesses diferentes. Porém, no Qutab Minar tivemos o azar de encontrar a excursão de uma escola, dai foi a festa. TODOS alunos queriam tirar fotos com nós 2 ou apenas com a Lissa (que, obviamente, era a novidade)…. ahahhaha Chegou um ponto que não. Eu também precisava ver o complexo né? Não fui pra ali pra ser ponto turístico ahahahahha

Na verdade isso me fez refletir muito sobre como pessoas famosas devem se sentir quando saem na rua. Deve ser um inferno tu querer fazer algo e sempre ter alguem querendo tirar foto ou conversar contigo. Dai tu entende por que as vezes o cara pode estar puto e não te tratar tão bem… (Todos, momento de reflexão!).

ESPASMOS DE MEMÓRIA RANDÔMICOS

Fora estas atividades, em Delhi tivemos que correr muito de atrás das roupas que iríamos utilizar no casamento que tivemos entre 26 e 30 de Dezembro em Hyderabad. Nisso acabamos conhecendo alguns mercados locais como o Chadni Wonk, Janpath Market e o Sarojini Nagar. E por lá sentimos o drama da negociação com Indianos e do caos organizado que existe nesse lugares.

De manhã até parecia um lugar organizadinho...
De manhã até parecia um lugar organizadinho… Mas na verdade era o resquício do dia anterior…
Já a noite... OUTRA realidade... Crazy India.
Já a noite… OUTRA realidade… Crazy India. (Sarojini Nagar Market)
E a Lissa foi testando seu futuro Saree para o casamento...
E a Lissa foi testando seu futuro Saree para o casamento…

Das dicas sobre fazer compras na Índia é uma básica: Negocie… Mesmo que diga que não vá negociar e que o preço é fixo. Nunca é fixo, sempre há barganha. 😉

Além disso, também fomos almoçar em um restaurante recomendado por uma amiga brasileira que morou durante um tempo na Índia chamado Karim’s. Ele é considerado um dos restaurantes de comida indiana mais famoso do local, super tradicional e com um preço bem bacana. Agora, você sabe como é a comida indiana??

Vejamos bem… Acho que essa foto ilustra bem.

Cozinha indiana.
Cozinha indiana.

A comida indiana é, obviamente, bem típica e merece uma atenção especial para viajantes e turistas que vão para lá… Ou você vai adorar a comida, ou provavelmente vai odiar. Acho que tem poucas chances de ficar no meio termo. Em geral, ela tem um efeito “digestivo” em turistas, ou seja, se prepare para se sentir um rei (sentado no trono). Até o estomago véio se acostumar com a quantidade exagerada de Pimenta e molho Curry, ele geralmente tem reações um pouco incômodas… Eu, no início estranhei bastante a comida, mas depois me acostumei e até gostei. A questão da comida envolver muito legumes e vegetais (assim como a Tailandesa) foi algo que eu gostei muito. Porém, no fim, meu corpo não teve tanto tempo para se acostumar e tudo tinha gosto de pimenta e curry. Dizem que quem come muita pimenta e/ou curry, depois de muito tempo, consegue separar esse gosto e sentir o gosto da comida, eu, infelizmente, ainda não consigo.

Restaurante Karim's em Old Delhi, bem pertinho do Jama Masjid
Restaurante Karim’s em Old Delhi, bem pertinho do Jama Masjid

Falando em Old Delhi (Delhi Antiga ou Velha) é impossível não falar de lá, pensando na Índia. Sabe quando se fala da África e se vê pobreza, falta de recursos e tudo mais? Isso é o que chamamos de África exportação, e na verdade é um apenas uma parte de África mas que infelizmente é a parte mais tocada por todos as pessoas/meios quando elas vem para cá. Obviamente, nem tudo na África é pobreza e sofrimento, muita coisas aqui são ricas e desenvolvidas, como vocês já puderam ver diversas vezes aqui no Blog. Na Índia, se faz a mesma coisa… Existe um tipo de Índia exportação… Aquela Índia caótica, suja, doida! Se tu quer ver como é essa realidade, nada melhor do que dar uma passadinha em Old Delhi. Tráfico caótico (quase imóvel), 1 trilhão de pessoas passeando, restaurante e lojas de tudo que se imaginar… Isso é Old Delhi. É impossível não se incomodar com esse lugar, no mínimo ficar angustiado. Para mim, é impossível entender como as pessoas conseguem viver naquelas caos “organizado”… Com certeza é algo que tem que se conhecer para valorizar o que hoje consideramos um caos… ehhehe

Olha como a fiação está bem organizada...
Olha como a fiação está bem organizada…

Pra facilitar, segue um pequeno vídeo:

Conselho: Não tente pegar um tuk tuk ou um táxi em Old Delhi, prefira ir caminhando que com certeza você chegará mais fácil ao seu destino…

Então… Eu acho que deu sobre Nova Déli, né? 3 posts, varias histórias e um sentimento que eu poderia falar muito mais… Mas se eu fizer isso, não vou ter tempo de contar sobre os outros lugares, e que tem histórias tão fantásticas quanto essas. Índia é um lugar doido e maravilhoso, eu achei uma das viagens mais massa que já fiz na vida. Uma imersão que eu nem esperava que fosse tanta e um riqueza cultural e espiritual que com certeza dá orgulho, e é por isso que o povo indiano é orgulhoso de ser Indiano.

Continuamos em breve falando sobre outros destinos, tipo Udaipur e Agra… 😉

Abraços!!

Anúncios

Um comentário sobre “Índia – Nova Déli #3

  1. Olá Tiago, tudo bem?
    Moro aqui em Tete, e estou indo pra Tanzania em março. Suas informações sobre Zanzibar foram muito úteis. Obrigada! Aproveito pra te perguntar 2 coisas: você sabe mais ou menos quantas horas de Dar es Salaam até o Kilimanjaro? Segunda pergunta, você tem o contato daquele guia turístico de Zanzibar, que você cita?
    Mais uma vez obrigada, e parabéns

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s