Victoria Falls – Zimbabwe (Parte 2)

Ueba!

Então, continuando nossa jornada por esse lugar espetacular que é Victoria Falls no Zimbábue, vamos detalhar um pouco mais o que se tem para fazer por lá.

Para a lista de preços das atividades, vocês podem ver na página do Shearwater: http://www.shearwatervictoriafalls.com/book-activity-specials/

SWING JUMP AT VICTORIA FALLS BRIDGE

Como eu já falei antes, Victoria Falls dividi 2 países, Zâmbia e Zimbábue. Para conectar os 2 países existe uma ponte muito bonita, chamada de Victoria Falls Bridge:

Victoria Falls Bridge vista pela Zâmbia
Victoria Falls Bridge vista pela Zâmbia (foto do Wikipedia)

Provavelmente nessa foto não dá pra perceber, mas do outro lado, tem uma casinha bem no meio da ponte. Adivinha pra que serve? SIM! Pular lá de cima pendurado em uma cordinha 😛 Povo bem doido, né?

Pois é, quem me conhece saber que eu não sou um cara de muitos riscos, dos mais tradicional, sem muitas aventuras. Essas coisas que tu faz dando uma sensação de quase morte não me atraem muito. Mas o que fazer quando tu tá com alguem que quer muito? Provas de amor?

O que a gente não faz por amor, né?
O que a gente não faz por amor, né? Olha a cara de arriada da Lissa, só porque eu tava me cagando todo….

Pois é, depois de muita insistência da Lissa, eu cedi e resolvi pular com ela nesse tipo de Bungee Jump… Eles chama de Swing Jump por que ao invés de ficar picando quando chega no máximo da corda, nesse pulo fica balançando lá embaixo. Logo vocês vão entender…

Como eu falei, não acho muito interesse esses esportes de alto riscos, exatamente pelo exemplo que vou mostrar abaixo:

Pois é, esse acidente aconteceu EXATAMENTE onde nós estavamos pulando. Que baita motivação pra saltar de Bungee Jump, né? ehehhee Mas igual, lá fomos nós, esperando que tudo tivesse sido corrigido.

O Local.
O local e casinha do bungee
Preparando para o salto. Treinamento os primeiros passos pra queda livre.
Preparando para o salto. Treinamento os primeiros passos pra queda livre.
1, 2, 3 e...
1, 2, 3 e…
FOI!
FOI!
O resto foi ficar balançando... ehehheh
Caindo e virando…
Mais um pouquinho! :)
Dai foi ficar lá embaixo balançando com o coração entre a amígdala.
Apenas uma bela vista da área.
Uma vista contrária a area do pulo. Mais ou menos o que tu vê enquanto está pendurado.

Bom, antes que perguntem, pra mim esse pulo foi o suficiente como experiência do estilo. Acabei de encerrar minhas participações em eventos do gênero… ehehehhe Mas valeu a pena!!

Pra ficar mais claro, segue o vídeo do salto, comprado na própria empresa que faz o salto (50 USD).

RHINO ENCOUNTER + GAME DRIVE

Vou juntar 2 passeios em 1 pois são praticamente do mesmo gênero. Como em muitos lugares aqui da África, em Victoria Falls também é possível fazer safáris. Nós fizemos 2 passeios, um focado em um visitar o parque como um todo e outro mais focado em ver Rinocerontes, que são animais muito bonitos e muitos difíceis de ver, pois já são considerados em extinção devido a caça ilegal.

Os rinos são caçados pelos seus chifres, que são vendidos no mercado ilegal. Mas uma coisa interessante que descobri lá, é que muito dos Rinos vivos tem o chifre cortado por defensores dos animais pra evitar que eles sejam mortos para sua retirada. Melhor um bixo sem chifre e vivo do que morto e sem chifre, né? É uma história triste mas é como as coisas acontecem por aqui.

Os 2 passeios foram fechados do mesmo jeito dos outros passeios (no Shearwater), e um foi no período da tarde/entardecer e outro de madrugada, começando umas 5h30min da manhã. Isso inclusive é meio que uma regra por lá, quase todos os passeios começam BEM de madrugada. Mó trabalho pra quem é preguiçoso assim como eu….

Abaixo seguem algumas fotos dos passeios:

São com essas palhas que se faz grande partes dos telhados por lá...
São com essas palhas que se faz grande partes dos telhados por lá…
Orelhudinhos
Orelhudinhos
Pássaro da Botswana
Pássaro da Botswana
Adoro pássaros!
Adoro pássaros!
2 big five em uma foto. MASSA!
2 big five em uma foto. MASSA!
Rinoceronte. Finalmente.
Rinoceronte. Finalmente.
Mais um pouquinho de rinos!
Mais um pouquinho de rinos! Aqui em uma área onde eles são alimentados e criados dentro do parque.
E um por do solzinho clássico pra encerrar.
E um por do solzinho clássico pra encerrar.

ELEPHANT BACK SAFARI

Esse foi um dos passeios mais divertidos. Nada mais é do que um sáfari nas costas de uns elefantes. O Safári é meio que uma desculpa, pois a graça toda está mesmo em andar em cima de elefantes e ver como eles são simpáticos.

Os elefantes usados aqui, dizem que foram criados desde de pequenos no meio de humanos, e por isso eles são tão dóceis, permitindo este tipo de interação. Uma coisa muito legal durante o passeio, é que tu é apresentado oficialmente ao teu elefante, e ele tem nome e tudo mais. No final do passeio, tu pode comprar uma pegada do elefante o qual tu andou.

Por mais besta que isso pareça, é algo bem marcante, pois a pegada é ENORME e não deve ser algo muito fácil de conseguir. Por mais que o passeio dure uns 45 minutos, é interessante ver o quanto tu acaba de apegando no animal. Ah, o nosso elefante se chamava Minus! 😀

Durante o passeio vimos alguns animais, pois o passeio foi no mesmo parque onde fizemos os outros safáris, porém, essa foi a parte mais sem graça pois o que interessava mesmo eram os elefantes…

Olha a única maneira de subir no elefante....
Olha a única maneira de subir no elefante…. Estrutura feita para isso.
Lhes apresento: Minus!
Lhes apresento: Minus!
Passeio em fila indiana!
Passeio em fila indiana!
Pose para a foto!
Pose para a foto!

Como vocês podem notar, muitas vezes o elefante tá com a tromba para trás. Quando ele está assim, ele tá pedindo comida para o adestrador ahahah Eles ficam ganhando comida o tempo todo para se comportarem direitinho.

Após o passeio, mais interação.
Após o passeio, mais interação.
Aí tu dá comida pra ele.
Aí tu dá comida pra ele.
Juro que a tromba parece um aspirador de pó!
Juro que a tromba parece um aspirador de pó!
Outro elefante que fazia parte do grupo. Dá pena de ver ele com o chifre quebrado...
Outro elefante que fazia parte do grupo. Dá pena de ver ele com o chifre quebrado…

No dia anterior, vimos os elefantes se preparando para receber os turistas, e o mais divertido foi ver um Javali invocado com um elefante (10x o tamanho dele ahahah)

Em linha indiana, assim como na outra foto.
Em linha indiana, assim como na outra foto.
Olha o desaforo!
Olha o desaforo do pequeno encarando o grandão

PASSEIO DE HELICÓPTERO

Então, por último e não menos importante, o passeio de helicóptero. Não tem muito o que se falar, é simplesmente para ver toda aquela beleza de cima. E sério, são apenas 15 minutos, mas vale muito a pena.

Ver a imensão das quedas lá de cima é algo mágico. Além disso, é muito fácil lá de cima ver arco íris pelo céu formado pela água das quedas. Vale a pena.

Helicóptero chegando...
Helicóptero chegando…
De longe já é possível ver os arco íris e a água das quedas.
De longe já é possível ver os arco íris e a água das quedas.
Lindo, não?
Lindo, não?
Não falei do arco íris?
Não falei do arco íris?
Mais
Mais
Mais de novo...
Mais de novo…
O que acontece depois das  quedas... Doidera, né?
O que acontece depois das quedas… Doidera, né?
Encerrando um passeio lindo.
Encerrando um passeio lindo

Em alguns cantos do passeio, é possível tu ver alguns elefantes entre outros animais andando pelas arvores abaixo. Afinal, tudo isso não deixa de ser um parque gigante. Tanto que nos próprios hotéis está cheio de javalis e macacos andando como se fosse a coisa mais natural do mundo.

Fora todos esses passeios que fizemos, fomos jantar em um restaurante que eu achei que valeu muito a pena. O local se chama THE BOMA Restaurant. É um restaurante muito loco, com carnes exóticas e um estilo de atender muito interessante. É aquele tipo de restaurante que muito mais do que apenas para comer, tu vai lá pela experiência.

A entrada
The BOMA Restaurante – A Place for Eating

Cada pessoa que chega recebe um Bongo (aqueles batuque) e durante a janta, eles ficam ensinando como tocar. é bem animado e divertido de ver o pessoal tentar batucar de acordo com o pessoal da banda do restaurante (chamada de Amazulu), o qual é de muito respeito. Até compramos um CD deles….

Os Bongôs recebidos!
Os Bongôs recebidos!
A banda Amazulu!
A banda Amazulu que circula para tocar em cada uma das mesas depois dos agitos com os bongôs.

O restaurante tem diversas carnes exóticas… Crododilo, Kudu, Javali são algumas das carnes que tu pode tentar lá. O bife que Javali que eles servem lá é simplesmente uma delícia. TEM que experimentar. São varios espaços servindo diversos tipos de comida, uma parte só com salada, outra só com carnes, outra só com assados do estilo fogo de chão. Tu come até não aguentar mais… Delícia.

Além disso, nos restaurante eles tem uma especialidade que é uma larva tradicional de lá. É tipo um bixo de madeira aqueles… não sei explicar. Well, eu experimentei e achei… Achei interessante.

A famosa larva.
A famosa larva.
O certificado para quem come a larva e que é assinado pelo chefe da casa. Viu que não é tão simples assim? eheheh
O certificado para quem come a larva e que é assinado pelo chefe da casa. Viu que não é tão simples assim? eheheh

Bom, basicamente isso é um resumo do que deu pra aproveitar em Victoria Falls. Espero que tenham curtido. Na minha humilde opinião, é um lugar que DEVE ser visitado por quem tiver oportunidade. Um lugar de beleza única e de muitas coisas para fazer. Recomendo que se puder escolher, vá no verão pois poderá aproveitar o máximo do local.

Grande abraço.

Tiago

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s