Victoria Falls – Zimbabwe (Parte 1)

Fala meu povo, maravilha?

Quanto tempo que a gente não se vê, né? Pois é, as coisas andam corridas e anda difícil escrever aqui. Mas tenho tanta coisa acumulada pra falar, que acho que mesmo se eu decidir ir embora pro Brasil nesse exato momento, eu terei textos para escrever por mais de 1 ano ehehheeh

Então, dessa vez vou escrever de uma daquelas viagens que entrou para história. Sabe aquele tipo de viagem totalmente indiada, que todo mundo te chama de louco mas que tu sabe que essa seria a oportunidade única para fazer? Pois é, essa foi a viagem que fiz para Victoria Falls, localizada praticamente no canto do Zimbábue e a meros 1300 km de Tete. Claro que 1300km não são nada para quem faz pelo ar, mas como eu ia fazer via ESTRADA. Aí sim deixa meio tenso…

Pensem comigo: 4 pessoas, 1 carro, 1.300 km de estradas africanas, 17h de viagem. Doido não?

Pois é… Bom, vamos ao básico de sempre…

Zimbábue: … Pera ai, se vocês querem saber sobre o Zimbabwe, olhem o meu post anterior sobre Harare AQUI! Ali eu explico basicamente um poco sobre o país e sua história (muito interessante, inclusive). Então vamos falar de Victoria Falls (ou em Portugues, Cataratas de Vitória), considerado um dos lugares mais bonitos da África Austral.

As Cataratas Vitória ou Quedas Vitória são uma das mais espectaculares cataratas do mundo. Situam-se no Rio Zambeze, na fronteira entre a Zâmbia e o Zimbabwe. Têm cerca de 1,5 km de largura, e altura máxima de 128 m. Wikipedia

Localização

Imagens geralmente dizem mais que palavras, então lá vamos nós:

Victoria Falls - Vista aérea
Victoria Falls – Vista aérea

Geograficamente resumindo, Victoria Falls é o nome das quedas d’agua do rio Zambezi que acontece exatamente entre a Zâmbia e o Zimbábue. Ele dividi duas cidades dos dois países chamadas de Livingstone (na Zâmbia) e Victoria Falls (sim, mesmo nome das Quedas, no Zimbábue). A divisão dos países não acontece antes e após as cataratas, e sim exatamente no meio do Rio. De um lado das cataratas é um país, do outro, outro. Existe uma ponte que liga os países (a qual pode ser vista na foto acima), e claro, em cima dela é território neutro.

Victoria Falls é um dos lugares que supreendeu positivamente em TODOS os sentidos. Em parte acho que até demos sorte, pois praticamente tudo deu certo. O que não deu certo, foi a época do ano que fomos, que é um pouco fria e acaba atrapalhando a interação com a água, que afinal, é o maior atrativo do lugar.

Porém, tem tanta coisa para fazer lá e Victoria Falls é tão preparada para turistas, que tu encontra MUITAS outras coisas legais para fazer lá além de brincar com a água.

Falando da viagem, aproveitamos um feriado de 2 dias, fomos em 2 casais, Eu, Lissa, Tarsila e Miguel e partimos de Tete em uma Sexta-feira as 14h, chegando em Victoria Falls no Sábado as 7hs da manhã. Sim, é um longo percurso, mas conte com uma bela surpresa para quem for de carro. As estradas do Zimbábue são maravilhosas.

Sim, apesar de todos os problemas e perigos de viajar a noite, a viagem foi bem tranquila e como a estrada no Zimbábue era boa, tornou a viagem noturna excelente. Obviamente, revezamos a direção (eu e Miguel) e deu tudo certo. O únicos cuidados necessários para a viagem é: Revisar o carro e ter certeza que eles está 100% para uma viagem de 1300km e também ter certeza que você tem combustível para uma boa kilometragem (ou como eu, que você tem galões de combustível para levar junto). Apesar de ter diversos postos de combustível no caminho, durante a madruga é difícil de encontrar um aberto pela rodovia, por isso pode ser necessário bastante combustível para rodar a madrugada toda.

Saindo de Tete, se teu carro for bebedor que nem o meu, tu pode ir até pelo menos Harare (385 km) e abastecer lá. Se ele beber mais que isso, ai eu sugiro que tu procure outro carro. ehehehhe Aqui segue um resumo do caminho para quem possa interessar (obrigado Tarsilinha!! :D):

Caminho

Informacoes gerais

Nós escolhemos parar em Harare para jantar e depois seguimos viagem direto até Victoria Falls… Se tu tiver com boas condições físicas (de ficar acordado na madrugas dirigindo), recomendo que faça isso.

Agora vamos as informações do local.

Victoria Falls é um local muito bonito e bem preparado para turismo. PORÉM, há um preço a se pagar por isso, obviamente. É uma cidade bem carinha, tanto em termos de hospedagem, alimentação, quanto para realização das atividades turísticas. Porém, considero que tudo é um dinheiro muito bem investido. Em questão de hospedagem, escolhemos o A’Zambezi River Lodge (http://azambeziriverlodge.com/). Nós gostamos do hotel, apesar das camas terem sido duas de solteiro juntas ehhehe Acho que foi falha nossa não ter reclamado, mas tudo bem…

Quando chegamos lá, fechamos varios pacotes de coisas turísticas a fazer. Com isso conseguimos um valor mais barato para cada um. Acho que realmente vale a pena pegar os Combos. Existem varias empresas que fazem esses pacotes por lá, nós escolhemos a Shearwater (http://www.shearwatervictoriafalls.com/). Na lista de atividades do hotel, escolhemos fazer as seguintes:

– Diner Cruise on the Zambezi River (Jantar romântico no por do sol do Rio Zambezi)
– White Water Rafting  (Rafting nas corredeiras do Rio)
– Swing Jump (Salto do tipo Bungee Jump)
– Game Drive / Rhino Encounter (Encontro com Rinocerontes no Parque Nacional)
– Elephant Back Safari (Safári nas costas de elefantes)
– Helicopter Trip over the Falls (Passeio de Helicóptero sobre as quedas)

Infelizmente, após a nossa primeira ida as quedas (logo que chegamos) desistimos da idéia de fazer o Rafting devido ao medo de pegar uma gripe muito forte. Com isso perdemos dinheiro pois já tinhamos comprados os pacotes. Fica o lembrete: Caso tu vá em época de frio, nem sonhe em fazer algum esporte na água… A não ser que tu seja completamente retardado e não sinta frio ou nunca fique gripado. ehehehe

Vou tentar listar o que foi cada uma das atividades para vocês terem uma idéia:

AS QUEDAS (CATARATAS DE VITÓRIA)

Sim, apesar de eu não ter “comprado” esse pacote, esse é um dos principais passeios da cidade. Afinal, tu foi lá para ver elas? Correto? Quem sabe…

Victoria Falls é uma cidade bem pequena, por isso se achar lá não é difícil. O parque das cataratas fica em direção a fronteira/ponte entre o Zimbábue e a Zâmbia. Tem um custo (obviamente) para entrar no parque e aqui fica uma dica. Caso tu seja como nós, que mora e trabalha na África e tem documentos de residência, você pode pagar a entrada de residentes, que são geralmente 50% dos preços. Pagamos 80 USD pelas 4 entradas.

Entrada do parque das quedas
Entrada do parque das quedas
Isso é o que você vai ver por lá...
Isso é o que você vai ver por lá…

Não tem muito o que explicar sobre o que fazer ness parque, né? Existe um Looooooongo caminho, onde tu pode ver as quedas por diversas vistas diferentes. Um coisa interessante, e que vocês podem notar na foto acima, é que as quedas são bem longas. Existe um longo caminho com diversas versões diferentes da queda… É um caminho bem interessante, bonito, um pouco cansativo e BEM molhado… Em especial a partir do ponto 10. Acredito que em relação ao molhado, depende um pouco da direção do vento, mas no nosso caso, a partir do 1o ficou bem complicado.

Fica mais uma dica. Cuidado com os seus equipamentos eletrônicos, em especial fotográficos, quando estiver caminhando por lá. Em algum dos momentos, você vai se molhar. VOCÊ VAI. Existem capas para alugar na frente da entrada do parque e mochilas a prova d’agua são muito bem vindas…

Capas alugadas (ALUGADAS - Caso tentem te enrolar dizendo que te venderam...)
Capas alugadas (ALUGADAS – Caso tentem te enrolar dizendo que te venderam…) Tarsila, Miguel, Lissa e Eu
Primeira vista
Primeira vista –  A queda bem da direita é a queda número 1 do mapa, e a chamada Devil’s Cataract (Catarata do Diabo) a mais violenta de todas elas (maior volume de água).
Uma outra visão da Devil's Cataract
Uma outra visão da Devil’s Cataract
David Livingstone, o cara que encontrou toda essa maravilha pela primeira vez.
David Livingstone, o cara que encontrou toda essa maravilha pela primeira vez.
Mais fotinhos... Essa foi mais ou menos do ponto XX
Mais fotinhos… Essa foi mais ou menos do ponto 9.
Uma foto romântica antes da água chegar! eheheh
Uma foto romântica antes da água chegar! eheheh
A água começando a maltratar...
A água começando a maltratar… Mas não deixa de ser uma visão bonita.
Até o ponto que não dá pra ver mais p**** nenhuma! eahuaehuaehu Nessa hora, nota-se que é melhor voltar. A partir dai, é só banho de chuva.
Até o ponto que não dá pra ver mais p**** nenhuma! eahuaehuaehu Nessa hora, nota-se que é melhor voltar. A partir dai, é só banho de “chuva”.

Basicamente, tu pode ver mais das quedas e ai depende do teu gosto e paciência para ver. Uma coisa muito famosa e conhecida a se fazer lá é ir até a Devil’s Pool, que é uma piscina que se forma quando a nível da água se reduz ao mínimo (época de seca). Dizem que é bem no meio das quedas, mas não pesquisei muito bem. Como eu fui em período de cheia, não pude ter o prazer de fazer. Mas ao procurar na internet, tu vai encontrar diversas pessoas com fotos por lá (o qual admito, tenho inveja).

Diner Cruise Sunset at Zambeze River (Cruzeiro ao por do sol no rio Zambeze)

No primeiro dia, nos resumimos a ir até as quedas e fazer o cruzeiro noturno no Rio Zambeze, afinal, estavamos bastante cansados da viagem. Até acabamos dando uma durmidinha após a ida nas quedas.

Na verdade eu não estava esperando muito do cruzeiro, não pelo por do sol, que eu sei que é sempre fantástico aqui, mas sim pelo jantar, pelo barco, etc. E como já falei antes, fui surpreendido. Por mais que o barco que levou a gente para navegar pelo rio não fosse dos mais bonitinhos, mais parecia uma balsa, a organização, o atendimento e o jantar estavam excelentes.

Detalhes da nossa mesa no barco
Detalhes da nossa mesa no barco
Enquanto o sol não se pôs
Enquanto o sol não se pôs
Roubada livremente da máquina da Tarsila :P
Roubada livremente da máquina da Tarsila 😛

O pessoal te pega no hotel umas 16h30min, e tu começa o passeio umas 17hs, uns 30 min antes do sol se por. O sol aqui é um show a parte por isso dispensa apresentações. Obviamente, a refeição está inclusa e também a bebida é liberada. Nas palavras do comandante, a bebida é liberada até acabar o estoque. E ele te desafia a terminá-lo (missão a qual eu fracassei).

Uma das coisas mais legais que aconteceram no passeio foi na verdade interagir com outros turistas que estavam fazendo o passeio com a gente. Foi engraçado conhecer um casal morador do Alaska e que só tem neve em volta deles, deslumbrado com o (para eles) calor do Zimbábue. Tinha diversas nacionalidades no barco e esse ambiente internacional sempre me agrada.

Os pequenos detalhes do passeio, o bom atendimento e bom humor dos garçons e o por do sol do Zambeze fazem o passeio valer 100%. Um viva ao Richman, o milionário que nos atendeu durante o passeio.

Sem palavras...
Sem palavras…
...
Foto desbundante tirada pela Tarsilinha
Foto desbundante tirada pela Tarsilinha
A lua também deu suas caras. Inclusive, era uma das noites da Super Lua. Por isso ela tão grande no horizonte
A lua também deu suas caras. Inclusive, era uma das noites da Super Lua. Por isso ela tão grande no horizonte
Toda equipe do barco que nos atendeu.
Toda equipe do barco que nos atendeu.

Acho que para um post está bom, né? No próximo post falo das outras coisas que fizemos, que irão, com certeza, fazer vocês se apaixonarem por Victoria Falls.

Um grande abraço.

Tiago

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s