San Carlos de Bariloche – Argentina (Parte 2)

E ai galera, vamos dar sequência a viagem?

Primeiro post: https://dotsconnected.wordpress.com/2013/01/19/bariloche-1/

Existe um passeio muito legal para ser feito em Bariloche, que é o passeio de barco no lago Nahuel Huapi. A viagem de barco saio do Puerto Pañuelo e geralmente tu consegue marcar em qualquer hostel ou hotel. A principal companhia que faz essa viagem é a Cau Cau (que significa gaivota em uma lingua local, se não me engano). Obviamente, existe um motivo para este nome que vocês verão logo abaixo:

Passeio no lago Nahuel Huapi

Na empresa Cau Cau existem 2 andares no barco: Um normal, como se fosse um onibus e outro mais espaçoso (no segundo andar) com refeições inclusas. Eu escolhi ir no segundo piso, pois imaginei que seria melhor para tirar fotos (e também por que não tinha almoçado e estava com fome ehehhe).

Avise no hotel qual o local que você quer do barco para que eles já possam fazer a reserva certinha, pois se for tentar escolher na hora, pode ter que ficar esperando para ver se tem local. 😉 Alias, geralmente no hotel existem alguns guias que possuem cartões de desconto para essa viagem e em restaurantes da cidade. Peça o guia primeiro e ganhe um desconto. 😉

Eis o barco
Eis o barco
Os destinos
Os destinos

Uma das coisas mais legais da viagem, fora os destinos é claro, é que durante toda a viagem o barco é acompanhado por gaivotas, que ficam voando atras do barco e comendo nas mãos das pessoas. A empresa já está tão acostumada e preparada para isto (e os passaros tão acostumados) que toda viagem é acompanhado de um fotógrafo com varios pacotes de bolacha para tirar fotos da tripulação brincando com os pássaros, tipo como abaixo:

<3
❤ Nhac 1
:D
😀 Nhac 2

Fora o divertimento com as comidas, os animais dão um espetáculo a parte dando rasantes e ficando perto de todos. É uma interação muito diferente do que estamos acostumados com animais. Aproveitei e passei um tempo fotografando eles…

Fly high in the sky (to virando rimador agora)
Fly high in the sky (to virando rimador agora)
Presta atençõa na bolacha voadora no fundo
Presta atenção na bolacha voadora no fundo
Esse acho que era um gavião
Esse achou que era um gavião

Além é claro do divertimento com os animais, as paisagens da viagem são lindas, afinal, estamos navegando pelos Andes. A neve permanente que possui em varios cerros dá um aspecto especial.

Nós tivemos muita sorte na nossa viagem, pois saímos em um dia não muito bonito, que estava bem fechado e que durante a viagem foi abrindo e se tornou em um dia espetacular. Realmente, SORTE.

Neve permanente.
Neve permanente.
Vista do barco
Vista do barco. Olhem a diferença do céu a foto anteior para este. Diferença de algumas horas apenas.

A primeira parada é o Bosque de Arrayanes (Parque Nacional Los Arrayanes).

Não existe muito o que falar de um boque em termo informativos, por isso resolvi pegar uma descrição pronta:

O Parque Nacional Los Arrayanes é uma reserva natural localizada no departamento de Los Lagos, na província argentina de Neuquén, ocupando uma área de 1753 hectares da península de Quetrihué, sobre a ribeira norte do lago Nahuel Huapi.

Desde 1934 o território se encontra sob a administração dos Parques Nacionais, formando até 1971 parte do Parque Nacional Nahuel Huapi. A partir desta data tornou-se um parque autônomo em razão da importância de sua formação bosqueada em seu extremo sul, composta exclusivamente da espécie Luma apiculata (vulgo “arrayane”), uma árvore da família das mirtáceas e de cresicimento lento. Wikipedia

O mais importante do parque é que ele é realmente MUITO bonito. Os Arrayanes realmente tem um aspecto muito bonito cor de canela. O que eu ouvi falar é que este é um dos únicos lugares do mundo onde estas árvores conseguiram crescer e formar uma “floresta” delas, devido a dificuldade de crescimento natural da espécie.

Dizem que o Bosque de Arrayanes inspirou a Disney em fazer o cenário do filme Bambi.

Chegada na Parque Nacional Los Arrayanes
Chegada na Parque Nacional Los Arrayanes
Um lado mais bonito que o outro.
Um lado mais bonito que o outro.
Parque Nacional Los Arrayanes
Parque Nacional Los Arrayanes
Arrayanes
Arrayanes
Arrayanes
Arrayanes
Arrayanes
Arrayanes
Final do caminho.
Final do caminho.

O passeio é muito bonito por entre as árvores. Para os que pretendem tirar fotos como eu fiz, recomendo esperar a grande massa passar e entrar depois, pois aí o caminho vai estar limpo para tirar suas fotos.

Saindo do parque em direção a Isla Victoria.
Saindo do parque em direção a Isla Victoria.

Isla Victoria

A ilha Victoria também é um parque nacional e o grande destaque da ilha são suas arvóres, Sequóias e pinheiros gigantes. Porém, admito que o que mais valeu para mim na Ilha Victoria foi a paisagem que se pode ter de outras ilhas e dos Andes andando ao seu redor.

A Ilha Victoria tem 24 km de estação por isso é muito fácil se perder. Quem quiser se aventurar, favor tomar cuidado e tentar se manter sempre perto dos guias.

Indo em direção a Isla Victoria
Indo em direção a Isla Victoria
Chegando ela.
Chegando nela.
Parque Nacional
Puerto Anchorena
Isla Victoria
Isla Victoria
Sequoias
Sequoias
Pinheiros gigantes
Pinheiros gigantes
Vista dos Andes
Vista dos Andes
Andes pela Isla Victoria
Andes pela Isla Victoria
Andes
Andes
Pequeno porto na Isla Victoria
Pequeno porto na Isla Victoria
Um pouquinho mais perto.
Um pouquinho mais perto.

Circuito Chico

Enquanto eu e Lissa estavamos admirando a vista do Cerro Campanario, ouvimos algumas palavras em Português e logo um pedido para tirar uma foto. Um casal de brasileiros (cariocas) estavam ali e papiamos rapidamente sobre o que fazer por Bariloche, quais pontos turísticos valiam a pena ir.

Logo que comecei a pesquisar sobre Bariloche, muitas pessoas recomendavam a Rota dos 7 Lagos, que nada mais é do que um caminho entre a cidade de Bariloche e San Martin de Los Andes. Exatamente como o nome diz, você passar por 7 lagos que como qualquer outro por ali, são lindos e valem a olhada por todos os ângulos. Porém, este não é um passeio para ser feito em apenas um dia, pois a rota tem uns 170 km e para ir e voltar no mesmo dia, incluindo todas as paradas no meio do caminho, se torna muito cansativo. Então para fazer esse passeio o recomendado é posar em San Martin de Los Andes ou alguma cidade da redondeza e voltar no outro dia. Como eu já tinha reservado hotel para todos os dias em Bariloche, acabei achando muito trabalhoso e desisti de fazer.

Porém, esse casal de brasileiros me recomendou o tal de Circuito Chico, que nada mais que é uma rota dos 7 lagos versão miniatura. O Circuito Chico é  um passeio de em torno de 30 km entre os lagos que vocês podem ver nas fotos do Cerro Campanario. Ele começa logo após o Hotel Llao Llao e termina na metade do caminho entre a cidade e o Hotel Llao Llao ( ou seja, tu volta em direção a cidade ao decorrer do circuito).

A medida que você vai passeando pela estrada do circuito (muito bem conservada, inclusive), você vai parando para olhar os locais. Alguns bem indicados, outros nem tanto, o ideal é parar onde você quiser e achar bonito. No final do circuito existe uma vista panoramica dos Andes, onde você pode enxergar o Hotel Llao Llao entre os morros numa vista maravilhosa. Olhem as fotos abaixo:

Circuito Chico
Circuito Chico
Circuito Chico
Circuito Chico
Circuito Chico
Circuito Chico
Circuito Chico - Atravessando a ponte.
Circuito Chico – Atravessando uma ponte do caminho.
Circuito Chico
Circuito Chico

Dizem que tem uma colônia Suiça por essas redondezas, porém eu não procurei para ir.

No meio do passeio, você vai encontrar um Hotel/Restaurante/Mini porto muito bonito (não consegui encontrar o nome), onde você pode ficar bem perto das águas e sentir a beleza dos Andes.

Circuito Chico - Lindo, né?
Circuito Chico – Vista do Porto
Circuito Chico
Circuito Chico – Vista do Porto
Circuito Chico
Circuito Chico – No Porto

Abaixo as fotos da área com vista panorâmica que fica no final do caminho do circuito:

Hotel Llao Llao visto junto aos Andes
Hotel Llao Llao visto junto aos Andes
Bari100
Alguns afortunados podem ter este prazer…
Bari101
Andes
Vista panorâmica
Vista panorâmica – Clique para ampliar

Além de todos esses caminhos, tentei ir no Cerro Catedral, onde existe a maio estação de Ski da América Latina, porém para o meu azar, no dia 31 de Dezembro e 1 de Janeiro eles estavam fechados. Então apenas consegui chegar até o pé do morro. Nada demais na verdade, mas o caminho apresentou lindas paisagens. Fica a dica para quem for passar a virada do ano lá, pesquise bem para saber quais locais estarão abertos nas datas festivas, pois tem chance de você não pegar ele aberto.

No caminho para o Cerro Catedral (que estava fechado).
No caminho para o Cerro Catedral (que estava fechado).
Lindona!
Lindona!
Bari91
Lago Gutierrez, no caminho para o Cerro Catedral.
Lago Gutierrez
Lago Gutierrez

Além disso, como eu havia dito para vocês, a vista do quarto do meu hotel (Alma del Lago Suites) nos dava um presente por dia. Deem uma olhada em alguma das paisagens que encontravamos no fim de cada dia:

Por do Sol
Por do Sol
Bari105
Vista do Hotel Alma Del Lago
Bari106
Intervenção Divina?

Então gente, acho que de fotos deu para ter uma noção do que Bariloche tem a oferecer durante o verão. 😉 Além deste post, recomendo fortemente o post do blog Nerds Viajantes (Aqui tem o post Índice deles: http://www.nerdsviajantes.com/2012/07/21/bariloche-post-indice/).

Apenas para completar informações que não coloquei antes, pois lembrei só agora (lembra que esse blog funciona como o meu cérebro, a medida que eu lembro e penso, vou escrevendo), mais algumas dicas:

– Ao chegar no seu hotel, peça alguns guias gratuitos que indicam restaurantes e coisas para fazer na cidade. Além de geralmente virem com tickets que dão descontos nos locais, eles podem lhe ajudar a escolher em qual restaurante ir ou o que fazer quando você não está inspirado.

– Se você for para lá nas épocas festivas, SEMPRE reserve um restaurante para estas datas (Natal e Ano Novo). Procurar na hora é quase impossível pois a cidade está lotada. Importante, quase todos os restaurantes tem ceias prontas (e bem caras) e por isso, se você quiser fazer valer o seu dinheiro, vale a pena comer pouco ao meio dia, pois na noite a coisa vai ser pesada (lembram que aqui é tudo parrila, chocolate, fondue, etc? Só coisas leves…).

– Durante as férias, Bariloche está SEMPRE cheia de adolescentes que vão para lá para fazer festa e tudo aquilo que todo adolescente sonha em fazer longe dos pais. Ir para uma balada não LOTADA de adolescente é quase impossível, por isso tente entrar no clima, pois se não você não vai curtir. Ou escolha ir para um restaurante e beber choop até cair (adoro essa opção).

– Outra coisa importante relativo as baladas é o horário. As baladas na argentina começam lá pelas 3hs da manhã. 3 HORAS DA MADRUGADA! Na noite da virada, pensamos em ir em uma festa e quando chegamos lá (em torno de 23h30min) a casa já estava lotada, mas ao chegar recebemos um aviso do segurança:

“Ahora eh solo para los chicos…(ou algo assim).”

Aquele momento era apenas para os adolescentes e a festa ia abrir para o público em geral as 3hs da manhã do dia 1. Moral da história? Comemos em um restaurantes e fomos embora para o hotel. Não tinhamos condições de esperar boiando na cidade até aquela hora.

Well, eu acabei nas escrevendo nada sobre restaurantes, mas vou avaliar a possibilidade em falar sobre as comidas e locais que eu fui, pois considerei super útil as recomendações que encontrei em blogs pela internet. Se eu conseguir lembrar o nome de tudo e os patros que pedi, aviso aqui em outros post.

Espero que tenham gostado e que seja útil para vocês.

Nos vemos na próxima.

Tiago

5 comentários sobre “San Carlos de Bariloche – Argentina (Parte 2)

  1. Mto, mto bom teu post. Vou abusar e pedir duas coisinhas: qual teu equipamento fotográfico, q eh simpeismente irrepreensível e qual o custo aproximado da tua viagem, os valores mais representativos, como diárias do hotel e passeios….Grata, Clarice

    1. Clarissa, segue as respostas:

      Equipamento: Tenho uma Nikon D90 e em grande parte desta viagem utilizei uma lente Sigma 10-20mm F/3.5. Foi a primeira vez que usei ela pra valer em uma viagem e adorei. Além tenha tenho uma 35mm f/1.8, uma 70-300mm f/4-5.6 e uma 18-55mm (do kit). Porém, nessa viagem basicaemente utilizei a 10-20 e a 18-55.

      Preços: O Hotel eu paguei uns 900 usd por todas as noites que fiquei lá, foram 5 noites e isso inclui algumas refeições extras no hotel. Gastei também uns 350 usd para alugar um carro por todos os dias e gastava mais ou menos uns 20-30 dólares por refeição (casal). Estou estimando, mas foi mais ou menos isso.

      O Hotel, te recomendo dar uma olhada no preço no Booking.com, foi lá que reservei.

      Boa sorte!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s