San Carlos de Bariloche – Argentina (Parte 1)

E ai minha gente? Maravilha?

Faz um bom tempo que eu não dava as caras por aqui… Pois é, mesmo sem escrever eu não fiquei parado e dessa vez vim escrever se um lugar que me surpreendeu de uma forma totalmente inesperada: San Carlos de Bariloche.

Bariloche, cujo nome oficial é San Carlos de Bariloche, é uma cidade da Argentina, localizada na Província de Río Negro, junto à Cordilheira dos Andes na fronteira com o Chile. Está rodeada por lagos (Nahuel Huapi, Gutiérrez, Mascardi) e montanhas, como o Cerro Tronador (3354 m de altitude, na fronteira com o Chile), o Cerro Catedral (movimentada estação deesqui) e o Cerro López. Possui cerca de 130 mil habitantes.

San Carlos de Bariloche

“A principal atividade econômica de Bariloche é o turismo. Além das montanhas onde se podem praticar esqui e “snowboard” (Cerros Catedral e Tronador) destacam-se o Parque Nacional Nahuel Huapi, a travessia dos lagos andinos até o Chile, a Isla Victoria (no lago Nahuel Huapi), a região de El Bolsón (ao sul da cidade), a Colonia Suiza (em meio a bosques, na qual se situa um museu que conta a imigração suíça para a região) e os percursos turísticos chamados Circuito Chico e Circuito Grande, com paradas em vários pontos de onde se têm vistas panorâmicas dos bosques e montanhas ao redor da cidade. Seu comércio voltado para o turismo é principalmente de artigos de lã, couro e chocolates. Para os interessados em turismo de aventura, há opções de “rafting“, cavalgadas, “parapente” e ciclismo de montanha.” Wikipedia

Bariloche é conhecida internacional pelo seu inverno. Lá neva… Mas neva com FORÇA. E por tudo que vem com a neve, Bariloche é conhecida. Neve caindo do céu, montanhas cheias de neve, estações des esqui, coisas congeladas e por aí vai. Porém, eu fui lá num momento diferente:O verão.

Escolhi ir para lá por que eu queria descansar, queria  passar um momento longe de tudo e acompanhado apenas por uma pessoa: Minha namorada. De agora adiante se acostumem, que esse blog vai também relatar viagens de um casal. 😀

Bem vinda, Lissa. :)
Bem vinda, Lissa. 🙂

Agora vamos aos detalhes. O intuito da viagem era descansar, namorar e arejar, portanto eu não esperava gransdes coisas turísticas de Bariloche, pois tudo que eu sempre ouvia de lá acontecia no inverno. Ainda assim, eu tinha expectativa de fazer um ski-bunda ou algo assim, o que obviamente não aconteceu. Mas Bariloche me surpreendeu com suas paisagens.

O verão lá mostra o que está escondido embaixo da neve… E é lindo! Eu nunca fui lá no inverno, mas tenho certeza que são duas experiências completamente diferentes. E pelo que ouvi falar, as duas valem muito a pena (uma eu mesmo comprovo abaixo, a outra ouvi de amigos). Entendam o que eu digo vendo esta foto abaixo:

Entendeu? Vista do Cerro Campanario.
Entendeu? Vista do Cerro Campanario.

Quando pesquisei na internet, achei poucos sites falando sobre o que fazer em Bariloche no verão, para minha sorte, encontrei um blog muito bom, que além dos textos excelentes, tinha fotos espetaculares. O que me motivou mais ainda para ir de um lado para o outro e conhecer o máximo possível. Obrigado, Nerds viajantes (http://www.nerdsviajantes.com).

Ficamos em um hotel muito bom, reservado rapidamente pela internet no Booking.com: Alma Del Lago (www.almasuites.com.ar). Além de ser um ótimo hotel, fica de frente para o Lago Nahuel Huapi. A vista dos quartos é algo surpreendente, tanto a noite quando de dia.

Vista da janela do quarto
Vista da janela do quarto
Real vista da janela do quarto.
Real vista da janela do quarto.

Um breve resumo para quem for visitar Bariloche:

– Brasileiros não precisam de vistos (meio óbvio para alguns, mas não custa frisar);

– Bariloche fica colada no Chile, dá pra visitar se quiser (eu não fiz);

– Quase tudo em Bariloche é na mesma rua (Av. Bustillo) e tudo é localizado por Km nela (Cerros, hotéis, restaurantes, etc…). É bem fácil de se localizar e se movimentar… Pelo que li, inclusive por transporte público. Eu preferi alugar um carro.

– Em relação ao carro, eu aluguei junto um GPS, porém não considerei ele muito útil. Como eu tinha levado meu iPad, procurava tudo no google maps no hotel e levava carregado nele. A possibilidade de ver o carro se deslocando em uma mapa superior me fez mais tranquilo. Então se você tiver um iPad ou qualquer produto similar a esse que dê para brincar com mapas, recomendo mais do que o GPS.

– Por mais que o peso esteja desvalorizado, eu esperava encontrar as coisas bem mais baratas do que eu encontrei lá…

– Para quem for trocar dólares, lembrem que a crise na argentina está gerando uma confusão relativa a Câmbio. A cotação das casas de câmbio está mais ou menos 4,8 pesos para cada 1 dólar e informalmente se pega a 6-8 pesos para cada dólar.

– Anoitece bem tarde durante o verão (em torno de 21h30min) porém os pontos turísticos fecham bem mais cedo, entre 18h e 19h. Se liguem na sua programação.

– Prepare-se para comer e beber ao montes. Bariloche tem de tudo para você engordar aos montes. Parrilla, Fondue, Chocolate Suiço e Cervejas artesanais. Eu ainda não consegui perder a barriga que ganhei lá…

No verão, ainda há neve lá (chamada de neve permanente), mas eu não consegui ir em nenhum lugar onde eu pudesse toca-la, apenas a vi no topo das montanhas. O sol lá no verão é bem quente, então quem for leve algum protetor solar e chapéus/bonés, caso contrário ficara com a cara toda queimada ou até o couro cabeludo queimado (né, Lissa?).

Pois bem, eu não planejei a viagem, ia planejando o que fazer em cada dia sempre no dia anterior. Tive um dia que até fiquei só pelo hotel descansando, o que foi uma delícia. Altamente recomendado para quem quer realmente descansar…

Tem muitas coisas para fazer lá, mas vou falar de: Cerro Otto, Cerro Campanario, Passeio de barco no Lago Nahuel Huapi (Isla Victoria e Bosque de Arrayanes), Circuito Chico, Hotel Llao Llao e a Catedral de San Carlos. Para evitar ficar comprido demais, vou dividir em 2 posts. Neste vamos falar do Cerro Otto, Cerro Campanario, Hotel Llao Llao e a Catedral de San Carlos de Bariloche.

Cerro Otto

Não existe muito o que falar sobre os Cerros, é simplesmente subir lá e ver a vista. Porém, este cerro tem algo especial: Ele possui uma confeitaria no topo. E o mais interessante, é uma confeitaria giratória. Em 20 min, ela gira 360 graus para que você possa ver toda a paisagem em volta.

Para subir até o morro, pegue o teleférico na Av. de los Pioneros Km 5. Ela é paralela a Av. Bustillo, então não tem erro. Neste teleférico, os bondinhos são 100% fechados.

Lá em cima existe alguma caminhos pra ti fazer e olhar a paisagem e ir na própria confeitaria. Infelizmente alguns caminhos estavam fechados pra reserva o que limitou as fotografias, mas deu pra registrar bem o local.

Subindo ou descendo?
Subindo ou descendo?
Vista do Cerro Otto.
Vista do Cerro Otto.
Vista
Confeitaria giratória.
Confeitaria giratória.
Bari09
Turistando
Vista do Cerro Otto
Vista traseira do Cerro Otto

Na descida do morro, não se pode perder a oportunidade de tirar uma foto-montagem fazendo aventuras no teleférico:

Como criar uma legenda para uma foto dessas?
Como criar uma legenda para uma foto dessas?

Cerro Campanario

O Cerro Campanario foi o lugar que eu mais quiz ir depois de ter visto o post sobre Bariloche dos Nerds Viajantes. A vista de lá é simplesmente espetacular. Eu concordo com o que eles disseram sobre o Campanario ser a visão mais bonita de Bariloche. Lembram da primeira foto lá em acima? Pois é!

Para se chegar até o Cerro Campanario só precisa ir até o Km. 18 da Av. Bustillo e lá está o teleférico (dessa vez aberto) que leva até o Cerro. A viagem do teleférico dura uns 7 minutos até o topo, e chegando lá há um fotógrafo para tirar uma foto sua com a paisagem abaixo. Obviamente tem um custo extra mas eles entregam a foto revelada no próprio hotel.

A viagem de subida é entre a vegetação e há plaquinhas que explicam as espécie das árvores que cobrem todo o cerro até lá em cima.

Subindo
Subindo. Vejam alguns detalhes das plaquinhas indicam as espécies das arvores.
Vista do Cerro Campanario. Clique para aumentar.
Vista do Cerro Campanario. Clique para aumentar.
Bari12
1049 metros de altura
Bari13
Deck da lancheria que há lá no topo
Isla Victoria
Isla Victoria
😀
Bari18
Famosa neve permanente.
Vista panorâmica
Vista panorâmica
Bari17
Já descendo… Feio…

Hotel Llao Llao

O hotel Llao Llao é um hotel construído em um local estratégicamente belo. Ele é famoso por ter sido desenhado por um arquiteto muito famoso da região, chamado Alejando Bustillo (entenderam o nome da rua?) e que desenhou alguns outros lugares de Bariloche, como a Catedral de San Carlos de Bariloche.

A vista do hotel, desde a chegada pela estrada, ate a própria vista de dentro da área do hotel é deslumbrante. O hotel fica no km 25 da Av. Bustillo bem em frente ao Puerto Pañuelo (onde você pega o barco para ir ao Bosque de Arrayanes e a Isla Victoria).

O Hotel é considerado 5 estrelas e possui até um campo de golf, que vocês podem ver abaixo.

Hotel Llao Llao
Hotel Llao Llao
Bari23
Hotel Llao Llao e Lissa
Muitos países para visitar
Muitos países para visitar
Bari24
Onde estamos?
Bari25
Vista dos fundos do hotel
:D
😀
Um dos pouco picos que vi CHEIO de neve.
Um dos pouco picos que vi CHEIO de neve.
Bari26
Vista lateral do hotel

Catedral de San Carlos de Bariloche

A Catedral de San Carlos de Bariloche “Nossa Senhora Nahuel Huapi”, é o principal templo católico da cidade e  foi desenhada por Alejandro Bustillo, o mesmo arquiteto do Hotel Llao Llao.

Ela foi construída no formato de uma cruz latina e de “pedra branca”, o que lhe deixa com um aspecto bem bonito. Dizem que no período da sua construção, Bustillo ofereceu o projeto arquitetônico de graça para viabilizar a obra.

A Igreja fica no centro da cidade de Bariloche, na intersecção das ruas Almirante Ou’Connor e Beschtedt. Porém, se você andar beirando o lago Nahuel Huapi em direção contrária aos Cerros, você verá a Igreja facilmente.

Ela possui um jardim muito bonito porém eu tive o azar de não conseguir pega-la aberta, por isso não pude ver seu interior e seus vitrais.

Catedral
Catedral
O arquiteto
O arquiteto
A "Monalisa"
A Virgem Maria
Até hoje me pergunto o que seria isso...
Até hoje me pergunto o que seria isso…
O jardim da Igreja.
O jardim da Igreja.
Ornamento de ferro localizado em frente a Catedral
Ornamento de ferro localizado em frente a Catedral
...

Como eu falei, contiuamos no próximo post, nesse já foi coisa demais. No próximo post eu falo sobre a Isla Victoria, Bosque de Arrayanes, Circuito Chico e outras coisitas pequenas. Maravilha?

See you soon!

Tiago

Anúncios

6 comentários sobre “San Carlos de Bariloche – Argentina (Parte 1)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s