Macau

E então para encerrar, vamos a Macau.

Bandeira de Macau

Na verdade acho que este será o post mais pobre (e automaticamente curto) do blog. Afinal, foi a viagem menos planejada e mais corrida de todas. Então assim, não vou ter tanto o que falar, por isso vou resumir no que conseguir fazer.

Macau tem uma coisa engraçada para nós Brasileiros, ou qualquer outro povo de lingua portuguesa, afinal, Macau foi colonia portuguesa por muito tempo e isso é engraçado, pois é como se fosse um pedaço da China com chineses falando portugues. Vai dizer que não é doido? Imaginar um lugar no meio da China onde as pessoas falam português? Bom, essa é a teoria, por que na prática, a história é beeem diferente…

Mapa da China com Macau em destaque

Macau (em chinês: 澳門; pinyin: Àomén; em cantonês: Oumun) é uma das regiões administrativas especiais da República Popular da China desde 20 de dezembro de 1999, sendo a outra Honguecongue.[8][9] Antes desta data, Macau foi colonizada e administrada por Portugal durante mais de 400 anos e é considerada o primeiro entreposto, bem como a última colónia europeia na China.[10]

A Região Administrativa Especial de Macau é constituída pela Península de Macau e por duas ilhas: (Taipa e Coloane. Após a ligação feita por meio de um aterro, o istmo de Cotai), Macau ficou com a superfície total de 28,6 km². Situa-se na costa meridional da República Popular da China, a oeste da foz do Rio das Pérolas e a 60 km de Hong Kong, que se encontra aproximadamente a este de Macau. Faz fronteira a norte e a oeste com a Zona Económica Especial de Zhuhai, logo é adjacente à província de Guangdong.[11] Wikipedia

A expectativa que tu tem quando tu vai pra lá, é que tu terá a oportunidade de falar em português com o pessoal. A realidade é que quase ninguem mais fala português por lá… Assim como em Hong Kong, o povo fala mesmo é Cantonês e Inglês. Porém, mesmo assim, quando tu circula na cidade, tu sente uma certa  falta de identidade linguística… É tipo a falta de identidade monetária do Zimbábue… Sente só as placas lá:

Olha a quantidade de idiomas na plaquinha… ehehhehe Basicamente as placas são todas escritas em Portugues, Inglês e Cantonês

Pra ti ir de Hong Kong a Macau tu pega um barco (ferry) no porto de Hong Kong. É tipo o Ferry que peguei em Dar Es Sallam na Tânzania para ir a ilha de Zanzibar, mas com uma diferença: Ele é MUITO mais rápido. A viagem foi engraçada, eu quase fiquei com um dos braços roxo de tanto a Renata apertar de nervosismo, e eu, por uma das primeiras vezes na vida, enjoei a ponto de ter que ir vomitar no banheiro. Sério, o barco vai MUITO rápido no mar, é assustador (e extremamente enjoativo – no sentido literal da palavra ehehehh).

O custo da viagem é relativamente barato (170 HKD), apenas o tempo de fronteira em Macau que é um pouco grande. Se tu pretende fazer a visita em Macau em apenas um dia, te recomendo ir BEM cedo pra pra poder ver tudo com calma e sem correria.

Uma das coisas pelo qual Macau é muito conhecida é por causa da liberação dos Jogos de Azar no país. Jogatina lá é liberada. E sério, eu posso ser meio grosso de fora, mas tu se impressiona com a quantidade de dinheiro que esse tipo de negócio faz. A vista da cidade de Macau impressiona pelos prédios bizarros e chamativos dos Cassinos que existem. O treco gera tanta grana que eles esbanjam luxúria e grandeza no horizonte.

A Renata até me falou da explicação histórica de como a estratégia de liberar os jogos de azar foi uma manobra para salvar a economia do país depois guerra do ópio… Mas juro que não tenho conhecimento suficiente para escrever sobre isso para vocês. Mas quem saber vocês não pesquisam pela internet? ahahahah

Cassinos/Hotéis no horizonte.

Quando chegamos em Macau, não tinhamos planejamento NENHUM. Sabíamos mais ou menos o que queríamos visitar (Igreja de São Paulo e Fortaleza do Monte,  a Macau Tower e ir no show House of Dancing Water) mas não tinhamos planejado como fazer isso. Chegando lá, logo após passar pela fronteira, decidimos pegar um guia turístico. O que acabou sendo bom e ruim. O cara foi passeando pelos lugares e nos explicando um pouco sobre tudo e isso foi legal e prático, porém, no meio da caminho, entre uma parada e outra, o cara nos abandonou e mandou outro taxista. Imagina a situação?

Tu tá em um país que não conhece ninguém, contrata um cara para te levar pra conhecer, de uma empresa de confiança, dai do nada ele manda um amigo pra completar o serviço? Oi? Pra piorar, o cara que ele mandou, não falava absolutamente nada de inglês. Obviamente, não aceitamos e não completamos o pagamento para o sujeito. Mas juro que ficamos com um pouco de medo, pois estávamos meio perdidos e não sabíamos onde pegar outro táxi… E precisávamos correr pois o show que eu tanto queria ir (The House Of Dancing Water) dependia disto. No fim achamos um ponto de táxi e conseguimos correr a tempo para o Hotel onde ia acontecer o show…

Minha recomendação é, tente se organizar melhor para ir para Macau, de repente você não precise passar por esse tipo de situação.

Assim, Macau é uma legítima ex-colônia portuguesa. Alguns dos pontos turísticos mais famosos são coisas que todo país que é ex-colonia tem. Forte, Igrejas, etc… Uma coisa interessante, e também uma das coisas mais bonitas, é as ruínas da Igreja de São Paulo. O treco é tão ruína, que só tem a fachada da Igreja de pé, mantidas em pé por uma estrutura de metal que tem atrás. É bem bonito de ver…

Basicamente todas as estruturas portuguesas da época da Colonização (ex: Ruínas da Igreja e a Fortaleza do Monte, entre outros), hoje são consideradas Patrimônio Cultural da UNESCO.

Ruínas da Igreja de São Paulo (detalhe pra quantidade de turistas… as usual).
Mais de pertinho…
Um dos canhões na Fortaleza do Monte
Um ângulo um pouquinho diferente… Olha que engraçado a coincidência.
Muitos dos prédios da cidade, lembram a arquitetura de outras ex-colônias portuguesas (ou de Portugal, né?) Nesse local aí que conseguimos um táxi para ir para o Hotel.

Aos arredores da região da ruínas da Igreja de São Paulo existem varios locais pra ti visitar. Muitos locais lembram muito a arquitetura européia e se tu tiver paciência pode até encontrar um restaurante de comida portuguesa para comer. Meu problema nesse local foi a quantidade de pessoas que estavam lá. Eu já não tava mais com paciência para aquele burburinho de 1 trilhão de pessoas ao redor de ti que eu tive em Beijing. Acabou que caminhamos um pouco pela área e logo fomos embora. Tentamos ir num restaurante português, mas a opção que achamos não tinha nada de português… Mesmo dizendo que era.

Mesmo o restaurante sendo uma merda, deu para provar a Macau Beer. Nada mal, viu?
As ruas apertinhas e LOTADAS de turistas…
Uma agradável surpresa perdida lá nos becos da região… Não, eu não arrisquei comer lá não.
Outra igreja que encontrei pelo caminho…

Outra coisa legal que visitamos lá foi a Macao Tower, um dos símbolos de Macau. É um dos prédios mais altos do Oriente e tem o considerado maior Bungee Jump do mundo. Obviamente, eu não fui no Bungee Jump pois não sou um cara muito adepto a esses esportes… nem a Renata, é claro. ehehhe

A Torre é bem legal, além da linda vista panoramica da cidade, tem varias outras coisas para fazer nela. Além do Bungee jump, tem outro tipo de salto que é um pouco mais lento que um Bungee Jump, a possibilidade de tu escalar a torre e também de tu caminhar ao ar livre ao redor do topo da torre, pendurado por uns ganchos… Eu não consegui tirar fotos da Macau tower nem das coisas que tem para fazer lá, por isso tive que recorrer ao Google para mostrar para vocês.

Macau Tower e ao seu lado da Macau Bridge. Lindonas, né? (foto do site http://www.chinalogue.com)
A comparação da Macau Tower com outras….
Vista de cima da Macau Tower

Quando eu decidi ir para Macau, comentei com alguns amigos e um deles, o Miller Vieira, já tinha ido e fez apenas uma recomendação para mim: Vai no “The House of Dancing Water”. E vou dizer, para mim, esse espetáculo foi o ponto alto da viagem a Macau.

“The House of Dancing Water” é um espetáculo que acontece dentro de um dos hóteis/cassinos de Macau e ele não é pouca coisa, é uma produção de 2 BILHÕES de dólares. Com certeza o custo mais alto do show é seu próprio palco, que é uma estrutura circular com uma piscina mecânica no meio. É muito difícil explicar como é o local, e como é proibido tirar filmar no local, fica mais complicado ainda. Mas em resumo, o espetáculo é um teatro onde os atores/bailarinos interagem com a água. A medida que a história vai acontecendo, o palco vai se transformando em uma piscina, um aquário, um chafariz e todas variações que envolvam água que tu imaginar. É realmente espetacular.

Os ingressos

Ó o trailer:

O palco é realmente espetacular, ao mesmo tempo que ele fica seco e plano para os atores/bailarinos atuarem, ele vira uma piscina de, no mínimo, 10 metros de fundura para eles possam fazer saltos e atuarem na água. A conclusão que eu cheguei foi que provavelmente alguns dos bailarinos devem ter sido atletas em modalidades de esporte com água para fazerem o que fazem, por que é BEM puxado. Me senti nas olimpíadas! 😛

Sente só a beleza do palco (e os atores pendurados na estrutura do alto)… 
Uma das variações do palco e as bailarinas

Para você entender um pouco mais do show e pegar as informações do espetáculo, dá uma olhada no site: http://thehouseofdancingwater.com/en/

Bom, de Macau foi mais ou menos isso. Sinceramente, não achei que valeu tanto a pena quanto as outras cidades. Quem sabe eu já tava meio cansado e meio enjoado das viagens, mas se tivesse que cortar algo da viagem, com certeza seria Macau. O show foi realmente algo legal, mas não mudou minha vida! ehehheehehh

Mesmo assim, teve coisas legais e é mais um lugar para ter recordações do Oriente. Se tu tiver tempo, vá, caso não, relaxe e aproveite os outros lugares.

Assim encerro a Trilogia dos posts sobre a viagem até a China, espero que tenham gostado de acompanhar e que alguma das coisas que fiz possa servir pra você de alguma forma. 🙂

Abraços,

Tiago

Um comentário sobre “Macau

  1. …pois fez mal em não ter entrado no “Yes Brasil” e cumprimentado a sua conterranea Maria, (é de Goiais) e que está aqui a viver em Macau há mais de 20 anos. A comidinha dela é uma delicia e nunca falta feijão para acompanhar os seus grelhados, pasteis (coxinhas de galinha), não esquecendo a deliciosa muqueca de peixe e outros petiscos brasileiros que matam a saudade de quem está longe de casa. É por isso que a casa dela está sempre cheia de brasileiros, portugueses (eu) e alguns chineses que vão provar estas iguarias e que voltam sempre…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s